Alérgicos: sua abobrinha orgânica pode conter leite

Alérgicos: sua abobrinha orgânica pode conter leite

Pode parecer sem sentido, mas um rótulo com a mensagem: “Alérgicos: sua abobrinha orgânica pode conter leite” pode ser necessário quando se fala em cultura orgânica. Considerada por muitos uma opção mais “natural” e saudável, para os alérgicos, pode trazer perigos.

A agricultura orgânica, para ser definida como tal, não utiliza agrotóxicos e adubos convencionais, sendo lançadas fórmulas alternativas compatíveis com a filosofia orgânica.

Saiba mais

Como fazer o diagnóstico da alergia à proteína do leite de vaca

Como fazer o diagnóstico da alergia à proteína do leite de vaca

Alergias alimentares apresentam incidência de 6 a 8% em crianças com até 3 anos. Os quadros variam desde reações cutâneas, problemas gastrointestinais, mas pode chegar a situações de anafilaxia. A alergia alimentar mais prevalente na infância é a alergia à proteína do leite de vaca (APLV) e, aparentemente, a incidência vem aumentando. Porém, sempre há o questionamento quanto ao aumento do diagnóstico ou se são casos diagnosticados erroneamente. Por isso, trago o post de hoje, baseado no artigo científico de Koletzko et al. (2012).

O quadro abaixo mostra a variedade de sintomas que podem estar associados à APLV.

Saiba mais

Como ler nos rótulos para saber se um alimento contém leite

Como ler nos rótulos para saber se um alimento contém leite

É claro que com tantos nomes difíceis e não utilizados no nosso dia a dia, ler rótulos e decifrar os produtos é uma tarefa cada vez mais difícil. Quando descobri a intolerância a lactose ficava em dúvida muitas vezes sem saber se eu poderia ou não comer certos produtos, pois passei a ler rotulo de absolutamente tudo que consumo.

Como o meu problema é somente a lactose, as vezes consumo produtos feitos a partir de leite de vaca com a rotulagem “sem lactose”, mas é claro, sem frequência pois já sabemos que o leite de vaca não faz bem a saúde. Mas e para quem tem alergia a proteína do leite ou é vegano, os cuidados são maiores, e por isso achei interessante colocar aqui a lista com os derivados do leite para ajudar na hora de comprar algo para comer:

Saiba mais

Suas alergias dependem da estação do ano em que você nasceu

Suas alergias dependem da estação do ano em que você nasceu

Não que a astrologia tenha sido aceita pela ciência, mas o mês de seu nascimento define muito sobre você.

Não há nada provado sobre pessoas com signo Aquário serem inovadoras, ou taurinos insistirem quando não devem, mas a ciência está provando que a data do seu aniversário pode sim afetar você.

De acordo com um novo estudo da Universidade de Southampton, na Inglaterra, a estação do ano do seu nascimento está intimamente ligada às suas alergias.

Saiba mais

Fique atento! Comidas de fim de ano podem provocar alergias

Fique atento! Comidas de fim de ano podem provocar alergias

Época de fim de ano com festas, ceia de Natal e Ano-Novo é um período propício para desencadear alergias por causa de diversos tipos de alimentos. Segundo o imunologista e alergista Marcello Bossois, coordenador técnico do Projeto Social Brasil Sem Alergia, 35% da população mundial sofre com algum tipo de alergia. Fique atento!

Saiba mais

Proteína do arroz: opção para nutrição de crianças com alergia ao leite de vaca

Proteína do arroz: opção para nutrição de crianças com alergia ao leite de vaca

Choro frequente, diarreia, vômito, perda de peso e ocorrência de dermatite são manifestações causadas pela APLV.

A Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV) é a mais frequente das alergias alimentares na primeira fase da vida dos bebês, atingindo de 2 a 3% das crianças menores de 3 anos. A falta de diagnóstico preciso pode aumentar os riscos e, em casos extremos, até levar à morte por anafilaxia, que é a reação mais grave causada pela alergia à proteína animal. Além da ingestão do leite, seus derivados, como queijo, iogurte e sucos, também podem desencadear essa hipersensibilidade.

Saiba mais

Casos de alergia são cada vez mais comuns entre a população

Casos de alergia são cada vez mais comuns entre a população

Em vinte anos, índice de casos de alergia, que é de 30%, aumentará para 50%.

Cerca de 30% da população tem alergias, condição em que o sistema imunológico reage de forma incomum a uma substância estranha. De acordo com a alergologista e imunologista clínica Dra. Fernanda Patini Furlan, cooperada da Unimed Catanduva, a expectativa é de que esse percentual chegue a 50% em 20 anos. “Esse aumento de prevalência das alergias está relacionado a mudanças de ambiente, estilo de vida e alimentação adotados pelo indivíduo, além da questão genética que também influencia”, esclareceu a médica.

Saiba mais

As diferentes formas e intensidades da alergia

As diferentes formas e intensidades da alergia
Alergia é uma reação do sistema imunológico a algo que ele considera estranho, no caso da APLV, a reação é contra as proteínas do leite de vaca.

O reconhecimento e o diagnóstico ainda são difíceis, uma vez que ainda não há um teste único ou combinação de exames para definição, sendo o diagnóstico na maioria das vezes realizado pelos sintomas clínicos.

Além disso, cada criança pode apresentar uma forma e intensidade diferente da APLV.

Saiba mais

Saiba identificar sinais de reações alérgicas

Saiba identificar sinais de reações alérgicas

Quem sofre de rinite alérgica sabe o que uma alteração brusca de temperatura ou um ambiente empoeirado podem causar. Espirros, muitos e muitos espirros. Assim como ela, outras formas de alergia, algumas até mais graves, atingem cerca de 30% da população brasileira, segundo Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai). Seja ela alimentar, respiratória ou de contato, o importante é identificar os sinais e ir atrás de um diagnóstico médico para evitar crises mais sérias.

Saiba mais

5 alimentos que mais causam alergia alimentar

5 alimentos que mais causam alergia alimentar

A alergia alimentar é uma reação anormal do nosso organismo a alguma proteína presente na comida – o corpo identifica como uma ameaça substâncias que, na verdade, não causam doenças, iniciando uma resposta imune para combatê-las. Para a nutróloga do HCor (Hospital do Coração), Daniela Gomes, esta reação atinge cerca de 8% das crianças com idade inferior aos três anos e quase 3% dos adultos.

Saiba mais